26 de outubro de 2012

meu pai meu pai meu pai

Meu pai, meu pai, meu pai
Seu amor é tão doce
Quanto bala de coco antiga
Enguiça o fundo da boca
E maltrata com a gengiva
Tanto que babo na roupa
E você limpa minha saliva

Meu pai, meu pai, meu pai
Seu amor é tão amargo

Quanto bafo de cerveja
De quando vem biritum
Me aperta forte e me beija
Pedir conselho no negócio
Discutir a Dilma e a igreja

Meu pai, meu pai, meu pai
Seu amor é tão azedo
Feito limão antes da tequila
Feito maçã verde demais
Feito óleo de copaíba
Feito criança passada da hora
Feito idoso em pé na fila

Meu pai, meu pai, meu pai
Seu amor é tão salgado
Feito calote em alto mar
Fica impregnado na gente
Nem a mãe consegue limpar
É feito comida de baiano
Feito suor de Cuiabá

Meu pai, meu pai, meu pai
Seu amor é dum gosto estranho
Bom e ruim ao mesmo tempo
Que se acumula há mais de ano
Nas papilas deste rebento
Cuja língua, no entanto
Vai ficar sempre querendo

Nenhum comentário:

Postar um comentário