9 de janeiro de 2013

ferpuda frô


teu cabelo, mia f, cum certeza,
foi feito todo preu arrancar. 
tua pele, essa delicadeza:
tudo mi dexa a findi pegar.
teu último cílio esquerdo
mi põe tão lerdo quieu durmo aí. 
minero não vê só cusói,
então já mi dói um palmo di ti.

carecesse menos coragi,
fazia uma aragi nesses pêlo teu. 
arrancava tudo nu dente
pressa pele rente carinhar us meu.
sieu tivesse issaqui di malícia;
ai qui delícia encostar nocê! 
meus poro tudo abria
us teu todo dia até tu morrer.

minero, num sei siocê sabe,
nem quiu mundacabe eli fica quetim. 
num parto nunca pra cima
si ocê num si aproxima di mim. 
nóis é tudo acustumado
no jeito do gado i cobediência. 
já muié é um bicho arredi
i eu num tenho esse ri di paciência.

enquanteu escrevesses verso
contigo eu cunverso na mia cabeça. 
fecho usói i ocê tá molinha,
já já vai ser minha, se-caso mereça. 
devanei: foi tu quem chegou,
tu qui encurtou essa nossa fatia. 
ferpuda frô, pra ficar nu bem-bom
só ti falta o dom da telepatia!

Um comentário: